Preaload Image

Josias Oliveira – Palacete de Itapemirim

Josias nos conta uma pouco da sua trajetória e relata as curiosidades por trás do palacete do Barão de Itapemirim e seus registros ainda existentes.

Palacete do Barão de Itapemirim , Foto de Victor Fround 1860.

Uma dessas fotos é a que retrata o palacete que pertenceu ao Barão de Itapemirim. Ao fazer a aproximação em alta definição, fiquei estasiado! Era, simplesmente, linda! Fiz, então, um print, recortei a parte que eu queria no paint, e a publiquei no grupo de facebook “Fotos Antigas do Espírito Santo”. Logo vários estudiosos e pesquisadores teceram seus comentários, o que enriqueceu substancialmente a “conversa cibernética”.

 

A “história” dessa foto é interessante. Era uma foto já conhecida, mas que ninguém sabia de onde era. Coube ao pesquisador Cilmar Franceschetto, do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, identificar a fotografia, redescobrindo uma foto que a memória deixava para trás, esvaída com o passar dos tempos. Tal edificação, há muitos anos, já havia ruído. Ficava próxima à antiga foz do Rio Muqui, no Itapemirim, erguida sobre uma pequena colina que domina a região.

Manoel José Pires da Silva Pontes foi Presidente da Província do Espírito Santo entre 1833 e 1835. Quando nomeado, resolveu ir até Vitória em viagem por terra. Saiu de Ouro Preto/MG, passando pelo Rio Pomba, por Campos dos Goytacazes e depois, seguindo pelo litoral, sempre por terra, foi até Benevente (atual Anchieta/ES), de onde embarcou por mar para a capital da Província. Os apontamentos que fez durante sua viagem é um documento ainda pouco conhecido no Estado do Espírito Santo. Segue o trecho sobre o Barão de Itapemirim que, na época, ainda não era Barão. A propósito, o nome do futuro Nobre era Joaquim Marcellino da Silva Lima.

 

“(…) 1/2 leg. adiante tive a satisfação de encontrar-me com o Sr Joaquim Marcelino, que anda mal convalescido de um ataque rheumatico adquirido na estrada do Castello, (…) veio contudo esperar-me e conduzir-me para sua Fazenda do Moqui. Chegamos pouco depois a Villa, apeiando-nos em casa do Sr Vigário onde nos refrescamos; O Sr Joaquim Marcelino insistiu, que posto que, tivesse eu marchado mais de 6 leg, todavia podia avançar mais um pouco e pernoitar com elle em sua fazenda e habilitando-me para esse ofício com excelente cavalgadura, pude chegar com dia a dita fazenda da Boavista na Barra do Moqui. A bellesa do Sítio; a nobresa da casa; a extensão do terreno e das plantações: a perfeição da Fabrica; o numero de escravos e gados que se empregão nesta Fazenda assentão bem a magnamidade deste honrado Paulista. Esta casa é o centro da união de muitos Senhores de família, que estão também estabelecidos nas margens deste bello Rio (…).”

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.